Você está aqui
Home > Esporte > COPA SUL-AMERICANA 2022: FASE DE GRUPOS COMEÇA COM PROTAGONISTAS BRASILEIROS E GRINGOS; VEJA ANÁLISE

COPA SUL-AMERICANA 2022: FASE DE GRUPOS COMEÇA COM PROTAGONISTAS BRASILEIROS E GRINGOS; VEJA ANÁLISE

Valendo uma vaga na Libertadores de 2023 e cerca de R$ 37,5 milhões em prêmio para o campeão, a Copa Sul-Americana começa nesta terça-feira com sete equipes brasileiras na disputa, rivais tradicionais do continente e candidatos a surpresa na competição.

Atlético-GO, Santos e Ceará já estreiam nesta terça. Os goianos recebem a LDU, os cearenses enfrentam o Independiente em casa, e os santistas viajam à Argentina para encarar o Banfield.

+ Veja os grupos e a tabela completa da Sul-Americana

Na quarta, o Fluminense pega o Oriente Petrolero no Maracanã, enquanto Inter joga fora de casa contra o 9 de Outubro no Equador. Na quinta, o Cuiabá joga contra o Melgar na Arena Pantanal, e o São Paulo vai ao Peru para o confronto com o Ayacucho.

Os grupos têm quatro equipes cada, definidas em sorteio, e só o primeiro colocado avança. Nas oitavas de final, esses oito times enfrentam os oito clubes que terminaram a fase de grupos da Libertadores na terceira posição. A partir daí, é mata-mata até a final, em jogo único, marcado para o dia 1º de outubro em Brasília.

Copa Sul-Americana: Léo Lepri analisa o começo da fase de grupos da edição de 2022

Os protagonistas brasileiros

 

Fluminense

 

Entre os grandes brasileiros, o Fluminense é quem chega à Sul-Americana carregando um título recém-conquistado, o do Carioca, vencido no sábado sobre o Flamengo. O torneio, porém, será disputado após uma decepção, semanas atrás, quando a equipe de Abel Braga foi eliminada pelo Olímpia, do Paraguai, e não conseguiu chegar à fase de grupos da Libertadores.

O Grupo H, do Flu, ainda tem o Oriente Petrolero, da Bolívia, o Junior Barranquila, da Colômbia, e o Unión Santa Fé, da Argentina.

David Braz comemorando o título do Fluminense — Foto: Mailson Santana/Fluminense

David Braz comemorando o título do Fluminense — Foto: Mailson Santana/Fluminense

Internacional

 

A equipe gaúcha vive momento turbulento após a eliminação precoce no estadual. Durante o período sem jogos, o técnico Alexander Medina tentou corrigir falhas da equipe. Ele não fez suspense e o mais provável é que repita contra o 9 de Outubro, no Equador, quase toda a formação que enfrentou o Grêmio pela última vez, mas sem David, machucado.

Além da equipe equatoriana, o Grupo E, do Inter, tem também o Independiente Medellín, da Colômbia, e o Guaireña, do Paraguai.

Alexander Medina em treino do Inter — Foto: Ricardo Duarte/Divulgação, Internacional

Alexander Medina em treino do Inter — Foto: Ricardo Duarte/Divulgação, Internacional

Santos

 

O Santos teve um início de temporada terrível, sob risco de rebaixamento no Paulista até a última rodada da fase de grupos. Recentemente, trocou de treinador: o comando agora é do argentino Fabián Bustos, que estava no Barcelona de Guayaquil.

A equipe foi reforçada após a eliminação no Paulista e cinco reforços devem estar à disposição para o jogo contra o Banfield, na Argentina: zagueiro Maicon, os volantes Willian Maranhão e Rodrigo Fernández e os atacantes Bryan Angulo e Jhojan Julio. O Peixe também enfrentará no Grupo C o Unión La Calera, do Chile, e a Universidad Católica, do Equador.

Jhojan Julio, reforço do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Jhojan Julio, reforço do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

São Paulo

 

Calleri é o artilheiro do São Paulo na temporada — Foto: Marcello Zambrana/AGIF

Calleri é o artilheiro do São Paulo na temporada — Foto: Marcello Zambrana/AGIF

O Tricolor venceu a Sul-Americana exatamente 10 anos atrás, sua única conquista no torneio. O time foi reconstruído para esta temporada após péssimo brasileiro no ano passado. O trabalho de Rogério Ceni deu frutos e levou o São Paulo à final do Paulista – a derrota na final, por 4 a 0 para o Palmeiras, pode criar instabilidade.

O treinador, porém, já avisou que priorizará o Brasileiro e que a estreia, conta o Ayacucho, será com time reserva. O São Paulo ainda terá pela frente o Jorge Wilstermann, da Bolívia, e o Everton, do Chile, no Grupo D.

Léo Lepri fala sobre os participantes da fase de grupos da Sul-Americana

Os protagonistas gringos

 

Independiente (ARG)

 

O maior campeão da Libertadores, com sete taças, faz um início de temporada ruim. São só duas vitórias em nove partidas disputadas. A equipe ocupa a sétima posição do Grupo B da Copa da Liga Argentina. Contra o Ceará, na estreia do Grupo G, o técnico Eduardo Domínguez terá desfalques: a zaga titular, com Sergio Barreto e Juan Insaurralde estão suspensos, o meia González e o atacante Batallini estão machucados.

Estádio Libertadores de América, do Independiente — Foto: Eduardo Moura / GloboEsporte.com

Estádio Libertadores de América, do Independiente — Foto: Eduardo Moura / GloboEsporte.com

LDU (EQU)

 

Campeão da Libertadores em 2008 e da Sul-Americana no ano seguinte, nas duas vezes contra o Fluminense na final, a LDU carrega tradição e altitude de Quito como armas na competição deste ano. Comandada pelo técnico argentino Pablo Marini, a LDU é a quarta colocada no Equatoriano, com 10 pontos. Recentemente, perdeu o atacante Jhojan Julio, emprestado ao Santos.

Pablo Marini, técnico da LDU  — Foto: Divulgação/LDU

Pablo Marini, técnico da LDU — Foto: Divulgação/LDU

Racing (ARG)

 

Ao contrário do rival de Avellaneda, o Racing faz um bom início de temporada, sem derrotas. O time lidera o Grupo A da Copa da Liga Argentina com cinco vitórias e três empates. O Racing é comandado pelo ex-volante Fernando Gago, de carreira recente no banco. No ataque, o destaque é Enzo Copetti, que lidera a artilharia do torneio nacional com cinco gols.

Estádio Presidente Perón, El Cilindro, do Racing — Foto: Staff Images/Conmebol

Estádio Presidente Perón, El Cilindro, do Racing — Foto: Staff Images/Conmebol

Léo Lepri analisa a dificuldade dos grupos dos brasileiros na Copa Sul-Americana

Atlético-GO

 

Campeão goiano no último sábado, o Atlético-GO volta à Sul-Americana nesta temporada. No ano passado, quase avançou aos mata-matas, mas terminou em segundo no grupo, atrás do Libertad, do Paraguai. A equipe de Umberto Louzer estreia em casa contra a LDU, e depois enfrenta o Defensa y Justicia, da Argentina, e o Antofagasta, do Chile.

Umberto Louzer - técnico do Atlético-GO — Foto: Bruno Corsino / ACG

Umberto Louzer – técnico do Atlético-GO — Foto: Bruno Corsino / ACG

Ceará

 

O Ceará recebe o Independiente, da Argentina, no Castelão, com técnico novo. Dorival Júnior foi contratado para substituir Tiago Nunes após a eliminação do time nas quartas de final da Copa do Nordeste. No Cearense, em que entrou nas quartas de final, a equipe também caiu cedo: foi eliminado no primeiro mata-mata pelo Iguatu. O clube também terá, no grupo, o General Caballero, do Paraguai, e o La Guaira, da Venezuela.

Dorival Júnior, técnico do Ceará — Foto: Kid Jr. / SVM

Dorival Júnior, técnico do Ceará — Foto: Kid Jr. / SVM

Cuiabá

 

Campeão mato-grossense, o time comandado por Pintado aposta num elenco de veteranos para a temporada. O goleiro Walter, o lateral Uendel, os zagueiros Marllon e Allan Empereur e o meia Valdivia são nomes conhecidos do grupo.

Será a primeira vez que o clube fará jogos internacionais: no grupo terá pela frente o Melgar, do Peru, o Racing, da Argentina, e o River Plate, do Uruguai. Em 2016 disputou o torneio por ter vencido a Copa Verde, mas, naquele ano, com regulamento diferente do atual, foi eliminado pela Chapecoense em seu primeiro mata-mata.

Cuiabá campeão mato-grossense 2022 — Foto: AssCom Dourado

Cuiabá campeão mato-grossense 2022 — Foto: AssCom Dourado

Velhos conhecidos

 

Outras equipes de tradição também podem cruzar o caminho dos brasileiros. O Barcelona de Guayaquil, que disputa a fase preliminar da Libertadores e que perdeu o técnico Fabián Bustos para o Santos, está no Grupo A, assim como o Lanús, da Argentina, campeão da Sul-Americana em 2016 e vice da Libertadores no ano seguinte.

Campeão da Sul-Americana 2020, com Hernán Crespo no banco, o Defensa y Justicia de Sebastian Beccacece, sempre especulado no Brasil, é rival do Atlético-GO. O Junior Barranquilla, da Colômbia, que tem sido adversário frequente de brasileiros na Libertadores, desta vez joga a Sul-Americana e será adversário do Fluminense.

Borja, ex-Palmeiras, agora no Junior Barranquilla — Foto: Reprodução

Borja, ex-Palmeiras, agora no Junior Barranquilla — Foto: Reprodução

Fonte: https://ge.globo.com/sp/futebol/copa-sul-americana/noticia/2022/04/05/copa-sul-americana-2022-fase-de-grupos-comeca-com-protagonistas-brasileiros-e-gringos-veja-analise.ghtml

Foto: GE

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top